Nov 16

Da Argentina, o professor Luiz Fernando Soares, da PUC-Rio, manda notícias. Conta que na última quinta-feira, 12 de novembro, ocorreu no Canal 7, a TV pública argentina, a primeira transmissão experimental pelo ar de três programas interativos, todos em Ginga-NCL, produções da iTV, da PUC-Rio e da Universidad Tres de Febrero.

Segundo o professor, as transmissões marcaram também a estréia da transmissão pelo ar(antes mesmo do Brasil) de programas com sincronismo com o vídeo principal, com o uso de NPT. A maior dificuldade da interatividade e que ainda não vimos no ar nos testes das TVs do Brasil.

Também na semana passada foi criada a Comunidade Ginga Argentina, unindo mais de 10 representantes das Universidades e outras instituições. Os argentinos formaram uma rede para pesquisa e desenvolvimento futuro do Ginga pelas Universidades Argentinas, para atuação com as Universidades Brasileiras junto ao GT de middleware do CETIC. O professor Luiz Fernando ficou encarregado de fazer essa aproximação.

Ações semelhantes deverão acontecer em outros países da América do Sul, optantes pelo padrao nipo-brasileiro para TV Digital. “Já recebi convite da Venezuela e Chile para visitá-los”, confirma Luiz Fernando.

Fonte: Circuito – Cristina DeLuca



Gostou? Compartilhe!!!

2 Responses to “Ginga para argentino ver, com sincronismo”

  1. Jota says:

    O que seria NPT? Onde teria mais informações sobre NPT?

    Jorge.

  2. Watson Odilon says:

    É através do NPT e contentId que uma aplicação é "amarrada" à um determinado conteúdo.

    Como podemos sintonizar um canal a qualquer instante, não é possível determinar quando um canal será sintonizado. Ou seja, não é possível determinar o início e o término de exibição de um objeto de mídia quando um fluxo elementar é enviado por difusão sem solicitação.

    Para transcender esse viés, o padrão MPEG-2 estabelece o NPT – Normal Play Time.

    Ás vezes, um conteúdo pode estar entremeado a outro. Exemplo: um aplicativo publicitário entremeado a um programa de TV. Assim, o padrão MPEG-2 possibilita ao difusor especificar um código de tempo associado a fluxos elementares, o NPT (Normal Play Time), uma referência temporal para uma determinada coleção de fluxos elementares.

    OBS: O transporte do NPT é feito através de um descritor em uma seção privada MPEG-2. Daí então, é possível estabelecer referências temporais para a exibição de cada mídia (é possível aninhar os valores NPT) ou de cada "conjunto de mídias".

    Você pode encontrar mais sobre o assunto em:

    Balabanian, Casey and Greene (1996). Vahe Balabanian; Liam Casey; Nancy Greene. An Introduction to Digital Storage Media – Command and Control (DSM-CC). Nortel, 1996.

    ISO/IEC 13818-1 (2000). International Organization for Standardization/International
    Electrotechnical Commission, “Information Technology — Generic coding of moving
    pictures and associated audio information, Part 1: Systems”, ISO/IEC 13818-1.

    ISO/IEC 13818-6 (1998). International Organization for Standardization/International
    Electrotechnical Commission, “Information Technology — Generic coding of moving
    pictures and associated audio information, Part 6: Extensions for DSM-CC”, ISO/IEC 13818-6.

    Steven Morris (2004). Interactive TV Web. “A technical (and non-technical) guide to DSM-CC.” http://interactivetvweb.org/tutorial/dtv-intro/dsm-cc/index.shtml.

preload preload preload